Overblog Seguir este blog
Edit post Administration Create my blog

Compreendendo as Alergias
Por Caroline Markolin, Ph.D.
Quando o verão bate à porta, chega com ele a “estação da alergia” para muita gente.
Já me perguntei muitas vezes: “Por que algumas pessoas contraem febre de feno
(rinite alérgica) e outras não? Quais fatores determinam se somos alérgicos a
determinado pólen ou a outros agentes (pêlos de animais, certos alimentos, metais,
travesseiros de penas, mofo, ou fumaça de cigarro)?
Ao longo das últimas décadas, a ciência médica tem proposto muitas teorias acerca do
que causa uma reação alérgica. Uma das opiniões mais populares é que
desenvolvemos alergia quando, estando enfraquecido o nosso sistema de defesas, o
nosso organismo é exposto a alguma substância prejudicial. Mas, por que uma pessoa
reage com coriza, outra com asma, e, uma terceira, com erupção cutânea?
O Dr. Ryke Geerd Hamer, médico internista, pesquisador e criador da Nova Medicina
Alemã (GNM), explica o inteiro processo alérgico como uma interação biológica entre a
psique, o cérebro e o órgão correspondente. Em 1981, o Dr. Hamer descobriu que
todas as doenças começam com uma experiência de choque que nos pega
desprevenidos. Ele chamou esse conflito inesperado de Síndrome de Dirk Hamer
(DHS) em homenagem ao seu filho Dirk, cuja morte trágica provocou um câncer no
próprio Dr. Hamer. Tal evento inesperado não precisa necessariamente ser
espetacular. Ele pode ser acionado por uma raiva inesperada ou quando alguém nos
dirige uma observação ofensiva. O Dr. Hamer descobriu que, no momento em que
vivenciamos uma DHS, o choque conflituoso afeta uma área específica do cérebro,
causando aí uma lesão que pode ser claramente identificada numa tomografia cerebral
como um conjunto de anéis concêntricos nítidos. A resposta no órgão é determinada
pela parte exata do cérebro que recebeu o choque conflituoso.
Segundo a Nova Medicina Alemã, todas as chamadas “doenças” têm duas fases.
Durante a primeira, a fase de conflito ativo, sentimo-nos mentalmente estressados,
temos extremidades frias, pouco apetite e problemas de sono. Se resolvemos o
conflito, entramos na fase de resolução ou de cura, período em que a psique, o
cérebro e o órgão correspondente passam pela fase de recuperação, um processo
geralmente difícil de fadiga, febre, inflamações, infecções e dores.
São sintomas comuns tanto ao resfriado simples quanto a certas reações alérgicas, a
congestão nasal, a coriza e os espirros. A membrana mucosa nasal é controlada por
um relé cerebral no lobo frontal do cérebro novo. Analisando milhares de tomografias,
o Dr. Hamer compreendeu que é exatamente essa área do cérebro que é afetada
quando vivenciamos um conflito do tipo “Isto cheira mal!”, como ele gosta de chamá-lo.
Suas descobertas confirmam que um conflito de “mau cheiro” pode ser vivenciado em
termos reais, por meio de um mau cheiro repentino, ou figurativamente. No instante
em que ocorre o conflito, a mucosa nasal começa a ulcerar, processo que geralmente
passa despercebido. O que chama a atenção, entretanto, são os sinais típicos da fase
de conflito ativo (tremores, perda de apetite e certa inquietação). Mas, tão logo
resolvamos o conflito, geralmente saindo do ambiente ou da situação que “cheira mal”,
a ulceração da membrana mucosa nasal é restaurada. A restauração dos tecidos
perdidos causa congestão nasal e, geralmente, dores de cabeça (devidas ao edema
cerebral na área afetada do cérebro, que também está em processo de cura). Os
espirros e a coriza são, portanto, sinais de que o organismo está finalmente livrandose
do resíduo do processo de restauração e, figurativamente, daquilo que causou o
“mau cheiro”.
Quando vivenciamos um choque conflituoso inesperado, nossa mente fica numa
situação de atenção máxima. Alerta ao extremo, nosso subconsciente recolhe todos os
componentes que acompanham o conflito, tais como odores, gostos, sons, objetos ou
pessoas, e os armazena até que o conflito seja completamente resolvido. Na Nova
Medicina Alemã (GNM), as marcas que permanecem como conseqüência da
Síndrome de Dirk Hamer (DHS) são denominadas “trilhos”. Esses trilhos são da maior
importância, pois, se a pessoa já estiver na fase de cura e, subitamente, recair num
desses trilhos (por associação ou contato direto), todo o conflito se repete e o
Programa Especial com Significado Biológico (SBS), com todos os sintomas próprios
de determinado conflito, recomeça desde o princípio. Em termos biológicos, isso é
uma reação alérgica. Portanto, o que se costuma chamar de alergia é, de fato, já a
fase de cura após uma recaída no conflito. O propósito biológico da alergia é servir de
sistema de alerta que diz: “Numa situação assim, você teve uma DHS. Cuidado!”
Se alguém é alérgico a determinado alimento, como amendoim, ovos, morangos ou
chocolate, muito provavelmente esse alimento estava sendo consumido no momento
do choque conflituoso. É preciso esclarecer que, quando evitamos comer uma
substância irritante, não é porque a evitamos que a alergia não se manifesta, mas sim
porque evitamos recair no trilho! Se alguém reage a determinado pólen tendo coriza,
podemos concluir que o pólen em questão esteve presente quando ocorreu um conflito
do tipo “Isto cheira mal!” Enquanto o conflito não for resolvido completamente, o tal
pólen servirá de trilho, fazendo a “alergia sazonal” recorrer ano após ano.
É preciso levar em conta esses trilhos quando estivermos lidando com desordens
“crônicas”, tais como artrite, angina de peito, asma, hemorróidas ou infecções
recorrentes. Segundo a Nova Medicina Alemã, o termo “crônico” significa que
recaímos no mesmo conflito repetidas vezes. Para interrompermos o ciclo de
reincidências contínuas e podermos concluir a fase de cura de uma vez por todas,
precisamos identificar o(s) trilho(s) que foram lançados simultaneamente com o
choque conflituoso original. As indicações da causa da alergia encontram-se
geralmente escondidas no “contexto” da reação alérgica. Todas as circunstâncias, tais
como hora do dia, lugar e sintomas específicos devem ser investigados
cuidadosamente. Por exemplo, se alguém sofre de enxaqueca só em fins-de-semana,
muito provavelmente encontraremos a fonte no local de trabalho. Nada se nota
durante a semana, mas, nos dias de folga, longe do “culpado”, o organismo aproveita
a chance de curar-se. Ao incorporarmos a Nova Medicina Alemã à nossa vida diária,
aprendemos com crescente gratidão a linguagem na qual a Mãe Natura fala conosco.

 

Traduzido para o português por: Ismar Pereira Filho
Extraído do site: www.LearningGNM.com
Termo de Responsabilidade:
As informações contidas neste artigo não substituem a consulta médica.

Tag(s) : #Portugues Artigos